Blog Te Dou um Dado?

Tão dizendo por aí que o jogador, ou ex-jogador, da Inter de Milão, Adriano, tá benloco. Tudo porque o “imperador” resolveu desaparecer no Rio de Janeiro na semana em que deveria ter se apresentado ao time italiano.

Mas a Mulher Moranguinho, que encontrou com Adriano essa semana, foi à imprensa para tentar pôr fim aos boatos de benloco do jogador. “Conversamos e ele não me pareceu essa pessoa deprimida e desequilibrada que todo mundo está falando. Ele disse que acompanhava o meu trabalho e que me admirava“, disse a dançarina.

Olha, “Pôr fim aos boatos de benloco”: FAIL!, porque né por nada não, mas se tem algo que grita depressão e desequilíbrio é alguém acompanhando e admirando o trabalho da Mulher Moranguinho.

Esta semana noticiou-se que um veado (um cervo, gente) aproveitou a porta aberta da casa de Zac Efron e, enquanto o ator tomava banho, aproveitou a brecha e subiu na cama de Zac, comendo os lençóis (mordendo a fronha). Daí pipocaram notícias maldosas sobre a história, que, em si, já seria uma piada pronta. Estamos aqui para defender Zac, porque já entendemos a história toda.

A questão ali não foi amorosa, mas fraternal. Vamos dar uma olhada na antroponímia?

Modernamente, a antroponímia, ramo principal da onomástica, é o estudo dos nomes próprios dos indivíduos. A tradição judaica sempre atrelou nomes próprios com seu significado, implicando, assim, uma identificação do futuro de um indivíduo com seu próprio nome. São comuns nomes de animais para ambos os sexos, como: Tzippor – Ave; Num – Peixe; Deborah – Abelha; Yael – Cabra da montanha; Efron – Gazela.

Pronto, gente venenosa. O cervo era nada mais, nada menos que o irmão mais velho de Zac. Mistério resolvido.


(Ilustração: Vic Matos, Rabisco Pop)
 

Enquanto Kate Moss e seu índice de massa corporal de 17,2 lançam um livro de receitas…

Mulher Melancia e seus  26,7 pontos de IMC estão abrindo uma academia.

Som na caixa, Alanis:

by Urgh.us